Relações tóxicas são aquelas em que ficamos ligados por uma espécie de rede negativa, não somente se refere a relações amorosas, senão, que podem ser relações de amizade ou familiar. Elas nos fazem sentir mal, mudando nossa forma de acordo com o que os outros não gostam, alterando nosso jeito de ser. Elas controlam ou destroem quem somos. São relações que nos fazem infelizes. E além disso, são relações que são muito difíceis de sair.

10 tipos de relações tóxicas que você precisa evitar:

  1. AS RELAÇÕES EM QUE APENAS UMA PESSOA É RESPONSÁVEL:

Se somente uma pessoa executa (toma o controle) da relação, a relação não é saudável e não prosperará corretamente. Às vezes é difícil nos envolvermos com uma pessoa que toma o controle das coisas, pode parecer fácil e cômodo que tomem as rédeas de nossa vida, pode ser que sintamos menos pressão assim. O problema é que isso não é opcional, é dizer, se você entrega as rédeas da sua vida a outra pessoa, o mais provável é que você perca o direito a opinar sobre o que fazer com elas. As relações implicam liberdade e igualdade de responsabilidades para as duas pessoas, cooperação entre os os envolvidos. Tentar controlar alguém ou que controlem você não leva a nenhum lugar.

  1. AS RELAÇÕES QUE TEM A FUNÇÃO DE “COMPLETAR” OU “PREENCHER”:

Mesmo que os filmes tentem incutir que quando encontrarmos “A” pessoa ela nos preencherá, nos tirará da miséria e do tédio e nossa vida mudará e será maravilhosa, nos elevará a um estado de plenitude e felicidade, o certo é que isto é algo que devemos conseguir por nós mesmos e em seguida levar à relação. Uma relação não deve servir ou utilizar-se para suprir carências pessoais, isso faz com que logo sejamos dependentes e não recorramos ao caminho de crescimento pessoal, não evoluindo e melhorando como pessoa por nós mesmos. Não é responsabilidade de nosso parceiro preencher esses vazios existenciais, é um trabalho pessoal de cada um. Se você não está bem consigo mesmo isso será refletido negativamente na relação. Cada um deve criar sua própria felicidade antes de poder compartilhá-la com outros.

  1. RELAÇÕES CO-DEPENDENTES:

Esse tipo de relação é algo similar a do ponto 1, mas aqui são as duas pessoas as que são passivas e dependentes, perdendo sua individualidade, não é o caso de uma dominante e outra mais submissa. Aqui ambas pessoas necessitam da aprovação do outro para levar a cabo qualquer ação, priorizam as necessidades do outro sobre as próprias. A outra pessoa sempre é responsável de como nos sentimos, tudo passa por ela. Nos diluímos com a outra pessoa e a relação passa a ser viciante. Os dois membros da relação deveriam responsabilizar-se de suas próprias emoções e saber controlá-las sem a ajuda do outro. Uma coisa é ser apoio a outra pessoa e outra é estar obrigado a todas horas.

  1. RELAÇÕES BASEADAS EM EXPECTATIVAS IRREAIS OU IDEALIZADAS:

A perfeição não existe, se amamos alguém deve ser com seus “defeitos” e com os seus “mais” e seus “menos”. Não é saudável tentar “consertar” as pessoas ou mudá-las. De fato quando menos se espera de alguém que amamos, mais felizes seremos. As expectativas podem ser muito traiçoeiras. Nada acontecerá sempre como nós esperamos, e portanto, as pessoas viverão e agirão em sua própria maneira. Viver uma relação pelo “como deveria ser” e não como é, leva a frustração, sofrimento e tristeza. Não devemos ter expectativas grandiosas e irreais nem tampouco pensar que a outra pessoa pode mudar (nem tentar fazer isso) para “melhorar a relação”.

  1. RELAÇÕES EM QUE O PASSADO SE UTILIZA PARA JUSTIFICAR O PRESENTE (ou ter a razão):

Se você está em uma relação em que continuamente se culpa pelo passado, a relação é tóxica. Se ambos fazem a relação se converter em uma batalha pra ver quem a “estragou” mais e portanto quem deve desculpar-se, essa relação é prejudicial. Quando se utiliza o que o outro fez de mal no passado para justificar sua conduta no presente, o que estamos fazendo é utilizar a culpa e o ressentimento para manipular a outra pessoa (para que se sinta mal no presente), ao ponto de perder de vista o problema atual. Deve-se aceitar que para estar com alguém tem que aceitar seus erros e seu passado. Se algo nos afetou tanto no passado, então esse era o momento para trabalharmos, não agora. O passado passado é, e passado deve ser.

  1. AS RELAÇÕES BASEADAS EM MENTIRAS CONTÍNUAS:

Nas relações uma omissão é como uma mentira, as relações se baseiam na confiança, abrindo-se a outra pessoa, conhecendo-se mutuamente. Ocultar informação relevante somente tornará a relação frágil. É certo que se pode reparar a falta de confiança, mas isto é muito difícil e requerirá esforço de ambas partes. O perdão e a reconciliação não ocorrerão até que se admita a mentira.

  1. RELAÇÕES EM QUE O PERDÃO NÃO TEM LUGAR E ONDE NÃO HÁ INTENÇÃO DE RECUPERAR A CONFIANÇA:

Isso está relacionado com o ponto anterior. A confiança se pode reparar, mas manter-se em uma relação em que não há intenção de repará-la não tem sentido. Em quase todo relacionamento a longo prazo haverá um problema de confiança ou alguma mentira em algum momento, não entender que esta se pode reparar sem ambas pessoas trabalharem duramente em seu próprio crescimento pessoal aplicando a relação, converterá a relação em algo tóxico para ambos.

  1. RELACIONAMENTOS EM QUE A COMUNICAÇÃO É PASSIVA-AGRESSIVA:

Por exemplo, quando em lugar de comunicar abertamente como nos sentimos, julgamos com indiretas, ou quando a comunicação é hostil e tenta manipular como se sente a outra pessoa. Fazer essas coisas sutis para aborrecer o outro até que preste atenção em você e em que você quer é manipulação. As relações se baseiam em uma comunicação aberta e sincera, sem a outra pessoa na relação nos julgar ou criticar quando nos abrimos pode fazer com que nos transformemos com atitudes passivas-agressivas. Pode até ser que a outra pessoa não esteja de acordo com o que você pensa, mas nas relações fortes se alcança um compromisso, a outra pessoa se compromete a apoiar sem necessariamente ter que estar de acordo a pensar obrigatoriamente igual a você.

  1. RELAÇÕES GOVERNADAS POR CHANTAGEM EMOCIONAL:

Isso se refere a aplicar um castigo emocional quando a outra pessoa não faz exatamente o que você quer. Afinal, a outra pessoa se compromete a comportar-se de outra maneira por causa da chantagem. Isso pode ser solucionado como no ponto anterior: com uma melhor comunicação. Os sentimentos e emoções se podem comunicar, mas de uma maneira saudável e sincera sem atacar a outra pessoa.

  1. RELAÇÕES QUE FICAM EM SEGUNDO PLANO:

As relações requerem que se dedique tempo e esforço, se você não cuida, elas murcham. É importante dedicar tempo de qualidade a relação, compartilhar atividades somente com a outra pessoa, isso, inclusive enriquece um casal, por exemplo. A outra pessoa (e a relação) requerem sua presença, atenção e tempo.