Autoprivação é pensar que você não está qualificado para ganhar e não tem direito nem permissão para ser feliz, e por isso muitas vezes você acaba sabotando seus sonhos. A baixa autoestima traz pensamentos, armadilhas mentais e atitudes de autoprivação, de ter e não usar, de acumular e não usufruir, de semear e deixar a colheita passar. Ela se baseia na crença de que suas necessidades de amor jamais vão ser satisfeitas de forma adequada, que não irão querer você como você quer, nem saberão compreendê-lo.

Atitudes de quem possui autoprivação:

  • Acredita que tudo de bom ou lícito se consegue por meio da dor, e diz: “A vida é dura, tudo tem um preço e é preciso pagar”.
  • Olha-se no espelho e não reconhece a imagem que vê do outro lado.
  • Nega-se a viver e a gozar plenamente.
  • Desanima-se e, em consequência, permite-se fracassar. Tudo está à sua frente, mas sempre pensa que é para o outro: “Como pode ser para mim?”
  • Critica-se e se auto exige desmedidamente. A autoprivação torna muito maior qualquer erro, fracasso ou fraqueza que se tenha.
  • Sente-se merecedor do castigo e do desamor.

Um dos piores sabotadores emocionais associado a autoprivação chama-se ansiedade. Ansiedade é quando você sente angústia, preocupação, nervosismo ou tem uma sensação de tensão ou de muito pânico. O problema da ansiedade está nos falsos conceitos que se tem sobre a realidade e que fazem com que você se sinta angustiado. Quando você está angustiado, você está enganando a si mesmo. A ansiedade é consequência de pensamentos distorcidos e ilógicos. A ansiedade é uma doença da mente, mas, quando você muda sua maneira de pensar, pode modificar sua maneira de sentir.

Os pensamentos de autoprivação tem raiz em diferentes distorções:

  • Pensamentos de tudo ou nada: é preto ou branco. Ou se é bem-sucedido ou fracassado.
  • Generalização excessiva: isto sempre acontece, nunca vou fazer direito.
  • Descarte do positivo.
  • Salto das conclusões: dá-se por certo o que se pensa sobre alguém ou sobre as situações ou se faz uma espécie de prognóstico do porvir.
  • Maximização e minimização: aumenta-se ou menospreza-se uma situação.
  • Raciocínio emocional: raciocina-se como se sente.
  • Afirmações do tipo “deveria”.
  • Culpa: seja culpar a si ou aos outros.

A pessoa que se sabota não se permite ser feliz nem usufruir, e por isso também vive em uma zona de conforto em que nada acontece, em que o risco não é permitido. A dor nos faz viver sob crenças falsas e em lugares equivocados. Essas pessoas não chegam a realizar seus sonhos, não por falta de capacidade, mas sim porque sentem pânico de sair da zona de conforto; repetem muitas vezes o mesmo jeito de se vestir, dão as mesmas respostas, mantêm-se trancadas nos mesmos conceitos, e sem perceber fazem uma sabotagem a sua própria vida.

A angústia é outro sabotador emocional associado a autoprivação, que o despoja pouco a pouco de sua autoestima e afunda-o lentamente em um estancamento emocional, sem que você note. Estando angustiado, por medo, você não toma as rédeas de sua vida. Começa a se deixar levar pelas decisões dos outros e suas escolhas são passivas, o que o levará a criar uma autoestima baixa. Você não mais decide pelo que quer ou por seu projeto, fazendo-o de acordo com os outros. E, assim, estará só se transformando num reflexo do que os outros querem.

E, ao não escolher, estará permitindo que os outros e as circunstâncias escolham por você. Zona de perigo! Só você pode gerar a mudança de que está precisando!

Dicas e estratégias para você eliminar as armadilhas da autoprivação:

PRIMEIRA DICA: Se permita viver seus sonhos! Dê permissão a você mesmo, sem ter que pedir permissão aos outros. Faça uma declaração poderosa: “Eu me dou permissão plena para perseguir e viver meus sonhos”.

SEGUNDA DICA: Não tenha medo de cometer erros. O erro, é o melhor aliado. Se ao errar você chora, o erro é seu inimigo. Mas se ele lhe deixa um aprendizado e você o usa como trampolim para o sucesso, ele será seu melhor amigo. Faça outra declaração poderosa: “Eu me permito cometer erros!”

TERCEIRA DICA: Corra riscos inteligentes. Há pessoas, situações, desafios tempestades para atravessar que o levarão ao outro lado, onde está o sonho, sua meta. Passe para o outro lado. A autoconfiança precisa de uma voz legal para operar. Use sua voz e sua palavra para alimentar seu sonho e ouse correr riscos. Faça a seguinte declaração: “Eu me permito correr riscos!”

QUARTA DICA: Não perca tempo explicando seus sonhos. Nunca perca tempo convencendo seu entorno do sonho que há dentro de você. Os amigos não precisam de explicações, e seus inimigos não as merecem. Declare bem forte: “Eu me dou permissão plena para começar um projeto novo!”

QUINTA DICA: Mude sua percepção. Naturalmente, tudo o que nos acontece é apreciado por meio de nossos sentimentos ou emoções; porém, ao mudar a percepção ou o ângulo de onde se foca o problema, mudará também a visão das circunstâncias, e, por consequência, a forma de solucioná-lo. Declare: “Eu decido mudar o meu foco”.